Aviso: Voltamos Envie seu Conto estamos aguardando, recupere sua senha caso ja foi cadastrado antes !
Já está liberada a área de Cadastro de contos. Cadastre-se e evie-nos o seu conto

UM HOMEM E SUAS BOTAS

Diversas e diversas vezes eu me excito com o odor dos meus pés. Chego em casa depois de um dia inteiro na rua. Como esteve frio, saí de calças jeans compridas e então calcei qualquer meio mesmo, não precisavam estar alvas e limpas. Hoje usei um par de meias que estavam no cesto de roupas usadas. Elas estavam endurecidas e lembrei-me que havia secado a porra no meu corpo de uma punheta que bati na cama no começo da semana. Pude até planejar este momento.

Quando desdobrei as meias aproveitei cada partícula de sabor que se desprendia das fibras antes de calçá-las nos pés já suados de uma manhã de trabalhos em casa com chinelos de borracha. Quando escolhi meus sapatos não pus o conforto na frente do prazer - fiquei com uma bota de couro, solado grosso, cadarço de corda de algodão e arremate do tornozelo em lã. Agora ainda sinto o couro no ar.

Por todo o dia andei sentindo os pés bem aquecidos e suados dentro deste calçado. Sentia-os deslizarem e então colarem à meia e à sola.



Por todo o dia cruzei as pernas e com este movimento me deliciei com o perfume das minhas botas. Este é azedo, é animal, é madeira. Quando estive sá, no começo da tarde num banheiro público tranquei-me no reservado e depois de minutos observando do alto meus pés calçados pude sofrer com a ereção que predizia a satisfação que teria ao descalçar os pés. Sentei-me no vaso e cruzei as pernas e lentamente aproveitando cada círculo de aproximação cheguei o nariz às botas. As coxas naquela posição me comprimiam os testículos e o pau já não me cabia nas calças. Com uma mão eu o reprimia. O perfume me fazia delirar. Acho que passei o resto da tarde com o olfato afinado naquela fragrância e excitado com o desfecho.



Então cheguei em casa, desabotoei dois botões da camisa e me sentei em uma cadeira fincando o solado das botas no tapete. A contração das minhas pernas e a distensão dos músculos das minhas costas me permitiram relaxar depois de tanta ansiedade por aquele momento.



Desamarrei o laço do cadarço e soltei-o. Depois afrouxei e laciei o couro junto do tornozelo para permitir a retirada do sapato. A fragrância das meias já me punha em loucura. Sentia cada fatia do complexo cheiro como se fossem notas de uma canção que me conduzia a outro estado. Estava louco de tesão. Enfiava os dedos entre o couro e o algodão das meias. Era quente e úmido e o sabor destes dedos era a recompensa por um dia tão ansioso e de planos tão safados. Quando descalcei este pé despreocupei-me com o práprio e me atirei ao chão de quatro com o nariz enterrado na bota. Estava quente e doce e me inspirava ondas que contraiam todo o corpo com as golfadas da respiração. O pau que me escapava pela braguilha mas era comprimido pelo elástico das cuecas estava duro como rocha e babava outro tão suave e aromático licor... A meia estava ainda toda grudada ao pé e pude descolá-la rapidamente e ainda dispensei-a. Queria recolher todas as impressões que ela deixara naquele pé. Percorri-o todo com o nariz e o extremo dos lábios. Podia passar horas diferenciando os odores específicos de cada movimento imputado à carne de cada zona correspondente do pé. Guardei a língua para correr-me do maciço sob os dedos até a coroa de pelos sobre estes. O odor masculino, de madeira, tabaco e suor me punha louco junto do sabor azedo da pele delicada dos dedos calçados por todo o dia. Repeti o ritual de descalçar-me com o outro pé e quando me enterrei as narinas na nova bota, meti o pau dentro da outra e soquei tanto durante o transe que pude sentir-me esfolando-o, mas o prazer me retirava da terra e me punha no profundo do prazer. Podia sentir-me como que por todo o tempo preso, pequenino, entre um pé e uma bota. Deitei-me com as costas no chão e atolei-me as narinas numa das meias. O aroma nelas era menos agradável e mais violento. Deixei uma das botas ao lado da minha orelha e a outra meti sobre o caralho. Arremeti dentro dela com o tesão que sentia inebriado pela meia. Segurava a bota que comia tocando meus dedos em sua sola imunda. Socava uma punheta delineando um sapato ao redor do meu pau. Em instantes eu enchia o calçado de esperma violentamente. Contraia todo meu corpo, expelindo jatos de porra e forçando os pulmões a encherem-se de ar e este filtrado e impregnando-se em fétido betume com aquela meia no nariz. Ainda excitado, mas calmo e calculista, agora de quatro recolhia com a outra meia as colheradas de porra de dentro da bota. E chupei cada centímetro desta meia fundindo os sabores extasiantes do chulé e da porra que jorrava depois de três dias de descanso.



recebo críticas no [email protected]

VISITE NOSSOS PARCEIROS

SELEÇÃO DE CONTOS


Online porn video at mobile phone


conto inquilina alugada 1contos de cúconto erotico com pai e tio sebo gaycontos eroticos de surpresaesposa puta do meu tio corno contorasguei a calcinha da prima dormindo fudelidade.comContos eroticos de estrupocontos eroticos sandragozei na buceta da maninha engravidouincesto tirando virgindade de garota de oito anos no semáforocontos eroticos corno oferecendo namoradagozano na bremudafudedo a tia bombadafotos e imagem de cuzinho irma contoscontos mordidinha na bucetavirei putinha contos eroticoscontos gay me depilando e pego no flagrahttp://transei com tio no banheiro gay contos eroticosminha mulher explorando meu cu contopezinhos perfeitos da minha tia conto eroticocontos eroticos 9aninhos lesbicairma mais velha chega bebada da balada ele da banho e ela da ate o cuzinho contostrepando com meu patrão conto eroticocontos eroticos da esposa do cunhado com a bunda cheia de celulitecontos eróticos minha mãe crente com meu amigonao contar para ninguem da familia. Quando eu achei que o papo ia terminar ali, ela me fez a pergunta que levou a tudo: perguntou porque eu tinha tanta coisa sobre lésbicas incestuosas no pc? Quando ela me perguntou isso, confesso que pensei em desconversar, mas aí pensei também que ela não faria essa pergunta à toa. Aí comecei a falar que aquilo me excitava muito, que gostava de ler sobre aquilo. Sem brincadeira, acho que a gente deve ter ficado uns 10 segundos em silencio ali na cama, depois que eu falei isso. Uma olhando para a outra. Aí, ainda bem, ela tomou a iniciativa, colocou a mão na minha perna e perguntou: Você pensa em mim?  Contos eroticos comendo a policialcontos eroticos fudendo a amiga da minha mae crenteHomem mais velho iniciando duas meninas novinhas as chupar pica contos eroticoscontos eroticos perdendo avirgindade encesto compadrecontos - leitinho do tiocom minha filhinha novinha contos eróticosconto erotico doisler cantos eroticos casado k da o cuContos eroticos de mae e filhoscontos coloquei so a cabeça do pau no cuzinho da minha filhagritando e pedindo pra nao botar pois doi pra nao perde o cabacominha cunhadinha e virgens peguei a forcaconto nao flagra o filho chupando o pau do amigocontos eroticos testemunha de jeovaporno gay pai apostou cu para o vizinhocontos eroticos de ninfetas transado com cavaloContos eroticos puta desde novinhacontos eroticos com fotos de mulheres casadas que foi violentada por bem dotadosconto erotico bang no blocome fode gostoso contosminha iniciação gay contosconto erotico com mulheres ecalhada casadaContos eroticos Dando O Cuzinho Na Infânciabrinquei com a afilhada contocontos eróticos de submisas lésbica falando palavrões papai me viciou a dar a bundinha desde de pequenafui criado para ser gay Contoscontos gay cu arrombadoBucetas aregaladas e raspadibhaincesto contos da cunhadinhaconto erótico putinha virgem dando o cuzinho para os mulikescontos de maes flagando fihos punheteiroscontos eróticos de mulheres casadas que curtem zoofilliame comia e gozava em minha boca abusocontos de conchinha com a irmaminha mulher grávida quiz realizar seu desejo de levar rola no cu e na buceta e tomar gizada na boca verídicocomendo a mulher em frente ao marido contoconto elotico mae safadacoto erotico meu cunhado me comeu gostozo nas feriascontos erotico com mim tia sem calcinhaconto de arrebentando o meu cu com a pica grandeso conto sexuais de traição esposo sedo chatagiado para dividir a esposapassei pirulito na bucetaprofessor e aluna contosconto gay tirei o atraso do meu primocontos freirascontos eroticos mulheres trazando no carnavalcontos de cú de irmâ gordacontos dominou minhamelequei a buceta